Colecções  >  Automóveis  >  Ford T

Ford T

1909

 

A partir de 1909 a marca americana iniciou a produção do modelo T numa linha de montagem, semelhante ao processo que Henry Ford havia observado numa fábrica de conservas. Através da simplificação de processos, racionalização de recursos e auto-suficiência da fábrica, os custos de produção baixaram ao ponto de o preço final do automóvel diminuir dos 825 dólares, em 1909, para os 260 dólares, em 1924. Exemplo da racionalidade de recuros é o facto de todos os automóveis serem pretos, já que esta cor era mais barata e secava mais rápido.

 

Apresentado a 1 de Outubro de 1908, o modelo T manter-se-ia em produção até 31 de Maio de 1927, estabelecendo um recorde com mais de 16 milhões de unidades vendidas.

 

Era extremamente durável, já que todos os elementos sujeitos a esforço eram de vanádio, uma liga de aço, leve e resistente.

 

O motor de quatro cilindros em linha, com 2.892 c.c. – em que o bloco e cabeça em ferro fundido estavam separados – alimentado por um carburador simples, desenvolvia 20 CV às 1.800 rotações por minuto. A transmissão era às rodas traseiras, através de uma caixa de velocidades com duas relações, mediante três trens de pinhões epicicloidais.

 

A suspensão à frente e atrás era de eixo rígido, suspenso por mola de lâminas transversal, com triângulos de reacção, sem amortecedor. O chassis era constituído por estrutura de longarinas em “U”, fechadas por travessas, com uma subestrutura em aço.

 
 

Até 1909 os modelo T eram manufacturados mas, a partir desse ano, iniciou-se a produção em linha de montagem. Este exemplar é dos primeiros produzidos desta forma.

 

Embora tenha sido importado em 1909, só a 27 de Novembro de 1911, devido à então recente Lei de Brito Camacho que criava as Direcções de Viação Sul e Norte, é que o seu primeiro proprietário, António Augusto Correia, o matriculou com a chapa N-373.

 

Em 1927, o Ford modelo T mudou de mãos porque Manuel Menéres, depois de ter visto o carro na feira de Mirandela, trocou o seu moderno Ford de 1926 pelo Ford T de 1909. Menéres utilizou-o em diversos eventos, como o Rallye dos Automóveis Antigos do Estoril, em Junho de 1932, o I Rallye de Santo Tirso, em Julho de 1962, ou o Rallye Internacional do Estoril, em 1964.

 

Certificado a 29 de Maio de 1968 pelo Veteran Car Club of Great Britain (VCCG) com o número 1.146, o Ford T do Museu do Caramulo tem o motor número 11340, significando que, efectivamente, este é da série de 1909, ano em que o total de carros fabricados excedeu as 15.000 unidades.

  FICHA TÉCNICA
  Ano 1909
  País E.U.A.
  Potência 20 CV
  Nº. de Cilindros

4

  Cilindrada 2.898 cc
  Velocidades 2 velocidades
  Peso 670 Kg
  Velocidade máxima 70 Km/h
  Nº. de Motor 11340

 


PARTILHAR